Segunda Roda de Conversa em SP com FCP e artistas negros

Por Liliane Braga e Pedro Neto

Articulando os fazedores das Culturas Negras

A identidade negra no Brasil de hoje se tornou essa realidade da qual se fala tanto, mas sem definir no fundo o que ela é ou em que ela consiste. A identidade objetiva apresentada através das caraterísticas culturais, linguísticas e outras descritas pelos estudiosos muitas vezes é confundida coma identidade subjetiva, que é a maneira como o próprio grupo se define ou é definido pelos grupos vizinhos. […]”.

KabengeleMunanga

Cidinha Fala_credito Liliane Braga

No último dia 17 de junho, estivemos reunidos no auditório Ministério da Cultura na FUNARTE-SP nós, do Fórum para as Culturas Populares e Tradicionais e da rede Kultafro, com a chefe da representação da Fundação Cultural Palmares (FCP) no estado paulista, Cidinha da Silva, e o diretor do Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-Brasileira da FCP, Lindivaldo Junior. O encontro ocorreu em continuidade à reunião realizada no dia 03/06 com o Presidente da FCP, Hilton Cobra, e cujo informe foi publicado  no site da Kultafro.

Estiveram presentes cerca de 30 pessoas das áreas de artes visuais, literatura, música, carnaval, capoeira, produção, cinema, artes cênicas negras, bem como alguns gestores públicos da baixada santista e do Guarujá.

Abrindo o encontro, Cidinha da Silva contextualizou os presentes sobre a reunião anterior, e falou sobre a liminar judicial obtida pelo MinC, que garante a continuidade do processo de seleção dos concorrentes aos editais afirmativos – mas não garante a premiação proposta pelos editais. Lindivaldo Junior falou das dificuldades do Estado em entender projetos e ações voltadas para ações afirmativas e salientou que “o governo só anda com a pressão dos movimentos sociais”, motivando-nos a dar prosseguimento às pressões sociais que visam à distribuição menos desigual dos recursos para os fazedores de culturas negras.

Em seguida, foi feita discussão sobre a campanha Cultura Sem Racismo. O poeta e cineasta Akins Kinte falou sobre a campanha contra a maioridade penal, alavancada por ele. Explicou ainda os mecanismos técnicos usados na campanha e enfatizou que “temos que pensar artisticamente. Hoje a campanha contra a maioridade penal não é minha, é de todos, temos que estar juntos”.

Os artistas presentes debateram os mecanismos para colocarem sua contribuição artística na web e a rede kultafro comprometeu-se a viabilizar em seu site o link para a campanha, bem como estimular outros artistas negros a aderirem a essa forma de manifestação virtual que será iniciada em breve na internet.

No último ponto da pauta do encontro, falamos sobre a participação dos artistas, produtores e empreendedores de cultura negra na 3ª Conferência Nacional de Cultura que será realizada de 26 a 29 de novembro de 2013, bem como nas conferências municipais e estadual – cujos prazos foram prorrogados conforme portaria divulgada pelo Ministério da Cultura no link http://www.cultura.gov.br/3cnc.

Akins_Cidinha_Lindivaldo-credito Liliane Braga

Como nos fala Tião Soares, do Fórum para as Culturas Populares e Tradicionais, “paremos de inventar a roda, vamos fazê-la rodar!” Nesse princípio popular está a base de nossa participação na 3ª Conferência Nacional de Cultura. Entendemos que não necessitamos mais construir propostas para as culturas negras, uma vez que há 10 anos as temos construído em conferências nacionais, estaduais e municipais. Devemos, hoje, fazer um levantamento de todas as propostas e verificar quais foram aplicadas e quais não foram.

Outra importante ação tirada no encontro foi a necessidade de nos mobilizar para garantirmos delegados das culturas negras nas conferências. Temos que ter direito a voz e voto em todas as áreas da cultura brasileira, afinal, as culturas negras são transversais. Precisamos eleger delegados nos diferentes setores: teatro, música, artes plásticas, artes visuais, dança, enfim, em todas as áreas da cultura.

Enfatizando a importância da construção do plano setorial de cultura afro-brasileira, Lindivaldo Junior se comprometeu ainda em viabilizar as ações de comemoração dos 25 anos da FCP para a construção dos planos setoriais que integram o Plano Nacional de Cultura. Os planos objetivam desenvolver ações voltadas para a proteção, a promoção, o fortalecimento e a valorização das culturas negras. Nos dias 19 e 20 de junho foi realizada em  Brasília a reunião do Setorial de Culturas Afro-Brasileiras do CNPC do MinC com foco na elaboração dos planos setoriais em questão. Maiores informações serão divulgadas neste site em breve.

Em tempo: o CEERT – Centro de Estudo das Relações de Trabalho e Desigualdade – também esteve presente ao encontro e disponibilizou seu departamento jurídico para assessorar os inscritos nos editais afirmativos do MinC. Os interessados devem enviar e-mail para danielceert@uol.com.br.

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *