Cavalera com “Soul Train” fez a diferença no SPFW

Luiz Paulo Lima/Pakuera

A polêmica causada pelo desfile do estilista Ronaldo Fraga na SPFW\ 2013, serviu para a trazer a luz o debate sobre o “politicamente correto” versus a liberdade de expressão e uso da imagem no mundo da Indústria da moda.

Fraga, diferente das explicações dadas na véspera do seu desfile, onde na ocasião enfatizou  tratar-se o seu projeto de uma homenagem aos jogadores negros da década de 30 à 50, onde este esporte ainda era de elite e no pós – desfile depois da “revolução” causada pelos protestos nas redes sociais , repagina com novas explicações no Facebook com seguinte comentário: “O meu desfile é uma crítica ao racismo e ao preconceito que respinga até os dias de hoje. Em nenhum momento falo em homenagem. Voltei para um tempo em que o futebol, o tema que escolhi para esta coleção, deixava de ser um esporte exclusivamente branco, de elite, para se ajoelhar diante da ginga, da dança que os negros emprestavam da capoeira pra driblar o time adversário. Tomei como objeto de pesquisa este esporte como formação de identidade, de costumes e da história brasileira. Procurei, como em outras coleções, fazer uma análise crítica e analítica sobre a influência e apropriação do futebol pelo brasileiro.”

Desfile Cavalera / Edson Lopes Jr

Já com um “golpe de mestre”, ajustado perfeitamente ao nosso tempo histórico, Alberto Hiar, diretor da marca Cavalera, foi buscar nos anos 70 a “Soul Train” como inspiração. Um programa musical televisivo americano, criado por Don Cornelius ,que mostrava basicamente performances de grupos e cantores da soul, hip hop, R&B, jazz, gospel, comportamento e moda. O desfile da Cavalera foi um show a parte. Ao som da “You can have watergate, just gimme some bucks and I’ll be straigh” cantado por The J.B.’s,  inicia o desfile  coreografado pela Daniela Thomaz, com 35 dançarinos, entre os quais o “Great black dancer” e  brasileiro Nelson Triunfo, 54 modelos predominantemente negros tendo como mestre de cerimônias o nosso ator e cantor “Don Tony Tornardo”.

Toni Tornado/ foto Edson Lopes Jr

As roupas multicoloridas, misturando desenhos de coqueiros, insetos, alfaiataria misturadas ao conceito “trashs” como características do DNA da marca, vestidos curtos ,caças justas e “boca de sino” apoteoticamente mostrados dando um sinal de motivação para o mercado. Ao  som de “Sossego” de Tim Maia, os participantes do desfile misturados ao público, transformaram o encerramento do dia em um grande baile  e a Cavalera sai de cena com um gostinho de quero mais.

Veja os desfiles e tire as suas próprias conclusões.

Foto da home, Edson Lopes Jr

Comments: 5

  • Adriana Barbosa março 27, 2013

    Parabéns pela matéria Luiz e Paquera, não poderia ter uam reflçexão melhor, tirou da minha cabeça as inquitações dos contrastes de visões.
    Parabéns para a Cavalera que nos deixou ser quem somos…..

    Reply
  • Redação kultafro
    Redação kultafro março 28, 2013

    Cléo Mina\ Querido Luiz Paulo Lima, adorei quando vi na TV a cabo e agora compartilhando com você super beijo !!!

    Reply
  • Elissandra Flávia março 29, 2013

    Realmente bela matéria

    Reply
  • Leila Valéria março 31, 2013

    Boa noite á todos,simplesmente adorei esta reportagem,ela foi de extremo ao outro ! .
    E esta idéia do desfile da Cavalera,muito boa mostrou um grande movimento que foi a Soul Train,muito bom .
    Parabéns aos idealizadores desta matéria !!!.

    Reply

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *