Afrocentricidades e Panafricanismo

Por Ivair Alves Dos Santos

Em encontro de intelectuais africanos realizado na Universidade da Africa do Sul – (UNISA), ocorrida no período de 14 a 17 de março, para celebração dos 50 anos da União Africana e dos 140 anos da UNISA, os temas abordados foram os seguintes: afrocentricidade, o pan-africanismo, nacionalismo, desenvolvimento econômico, desenvolvimento e transformação, entre outros,

UNISA Africa do Sul

Levantou-se alguns temas como a questão da identidade Africana, e sobre a importância de definir quem é o Africano para criar uma posição ideológica unificada. O estimulo à produção de conhecimento é estratégico para dar respostas cruciais para os problemas de África e sobre a qualidade dos líderes necessários para o futuro de África e do papel que a educação pode desempenhar na produção de um elevado nível de liderança.

O debate reafirmou a necessidade de africanizar os currículos do Ensino Superior em Africa, sem esquecer que o Continente faz parte do mundo globalizado.o ensino superior deve garantir aos africanos tornaram-se arquitetos de suas soluções em vez de “terceirização de seus problemas para o Ocidente.

O Prof Molefi Asante, autor de 75 livros, incluindo A História da África , e do manifesto Afrocentric , também é Professor extraordinário na Unisa, Guest Professor na Universidade de Zhejiang, Hangzhou, China. Por 30 anos ele foi professor de africanos e na Universidade Temple, nos EUA. falou sobre a necessidade do debate sobre a identidade africana como fundamental para a unidade do continente. “Temos de ter uma posição ideológica unificada, que transcenda a questão de classe, raça e religião. E se uma pessoa, independentemente de onde ele ou ela é poderá aderir à crença central, que seja no melhor interesse de África, o que é para o melhor interesse da unidade Africana, então poderemos transcender a todas as outras questões do continente. ”

Olukoshi, atual Diretor do Instituto Africano de Desenvolvimento Econômico e de Planejamento e diretor interino do Instituto de Governança de África, Dakar, Senegal, disse que o ideal do pan-africanismo foi parte da consciência ampla de todos os africanos, incluindo os que vivem fora do continente. Traduzindo esse ideal em uma realidade operacionalfoi coração da política do pan-africanismo.Com as divisões no continente em mente, ele disse que havia chegado a hora dos africanos darem um passo atrás e perguntar se era correto construir um projeto do pan-africanismo na base do consenso de 54 países ou para vê-lo como um projeto de unidade com base daqueles (países) que estão dispostos a avançar. “Portanto, precisamos avançar com agendas importantes sobre este continente, a agenda de auto-suficiência, a agenda da unidade, a agenda de integração, a ordem do dia e a liberdade de circulação de pessoas neste continente.”

Estudiosa feminista africana e ativista, McFadden, disse que o desafio para a pesquisa da África sobre a liberdade, igualdade e dignidade, e uma recuperação de integridade física de todos os africanos, era crítica. “Se não recuperarmos esses essencialismos fundamentais, não vamos ser capazes de criar alternativas para o nosso continente, e para a maioria das pessoas que vivem neste continente. É muito importante para nós, como os africanos, no entanto, estão localizados dentro de nossas sociedades, para desenhar a partir do mergulho de um pensamento crítico que seja tão definitivo em mover-nos do colonialismo para o anti-colonialismo e agora a um ponto em que podemos re-imaginar a nossa sociedades de novas maneiras para sair da retórica do passado que é realmente uma perda de tempo para nós, como pessoas que estão realmente desesperados por novas formas de pensar sobre nós mesmos e viver neste continente “.

Pityana, o ex-diretor Unisa e Vice-Chanceler, disse que a África precisava usar os recursos fornecidos por sua capacidade intelectual no continente. “… Nós precisamos trazer intelectuais juntos à África para tentar formar alguma relação ou parceria, de modo a não terceirizar o futuro do nosso continente.”

Participantes do evento: Prof Molefi Asante(Molefi Kete Asante Instituto de Estudos Afrocentric, Filadélfia, EUA), Prof Peter Lawrence(Keele University, Reino Unido), Prof Mahmood Mamdani(Columbia University, EUA), Dra. Patricia McFadden(Suazilândia), Prof Valentin Mudimbe(Duke University, EUA), Prof Adebayo Olukoshi(Nações Unidas Instituto Africano de Desenvolvimento Econômico e IDEP Planejamento, Senegal), Dr Ebrima Sall(Conselho para o Desenvolvimento da Investigação Social Sciences em África (CODESRIA), Senegal), Prof Hellicy Ngambi(Mulungushi University, Zâmbia), Prof Jimi Adesina(Universidade de Western Cape), Prof Catherine Hoppers odora(Unisa), Prof Chris Landsberg(Universidade de Joanesburgo), Prof Pedro Tabensky(Universidade de Rhodes), e Dr. Barney Pityana (Colégio Anglicano da Transfiguração, Grahamstown).

Fonte: NEPAD, UNISA,

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *