Música e ciência juntos, marcaram presença no Seminário da Feira Preta

Por Luiz Paulo Lima

“An Passant” gostaria de fazer um breve comentário, como registo, sobre o encontro que tratou  da temática –  Circulação e Consumo de Projetos e Produtos Culturais.

Com convidados brilhantes como o Sociólogo Alex Machado, professor da UFBA –BA, pesquisador  atento aos temas contemporâneos relacionados à população negra e desenvolvimento.

Alex Macedo/divulgação

Demonstrou com muita precisão e competência que a produção de conhecimentos acadêmicos pode auxiliar sobremaneira a vida empreendedora dos Produtores Culturais Negros, com dados científicos e comparados.

Marcos Agostinho/divulgação

Marcos Agostinho  da MAS –Pesquisa, deu uma  aula magna sobre, a Feira Preta 2011. Identificou através das metodologias aplicadas nas pesquisas , diferentes perfis do público que lá foram, as demandas econômicas , demonstrando  o quanto é importante esses suportes técnicos para os investidores no que tange a sua organização profissional e investimentos  tornarem-se sustentáveis  nos mundo dos negócios.

O Nabor Jr, deu uma outra  grande contribuição, como um jovem antenado e capacitado em se tratando de mídia. Defendeu o Menelick -2º Ato, uma revista  homônima inspirada no Jornal Menelick de 1915 ,o veículo  que tratou nos seus conteúdos,  as causas, comportamento e ideologias dos negros e negras urbanas da época.

Nabor Jr./divulgação

Nabor jr, nos trouxe como modelo de negócios a visão dos negros e negras jovens de todas idades,  com temas focados  na vida negro-urbana das metrópoles , com interação  e perspectivas.

O Emicida e o Evandro Fioti da Laboratório Fantasma, apresentaram o que mudou nas suas vidas com a visibilidade pessoal, como artistas de expressão.

Feira Preta/divulgação

Demonstraram a necessidade de ter o controle de toda a cadeia produtiva dos CDs, investimentos e capacitação nos  produtos licenciados e oportunidades de parcerias estratégicas , com o objetivo de gerar e ampliar com mais qualidade, trabalho e renda.

A Kelly Adriano de Oliveira, mediou com muito conhecimento de causa , como  doutora em Sociologia, funcionária executiva  do SESC no setor de música e soube fazer as pontes, com um olhar  proativo entre todos assuntos abordados pelos comunicadores.

A produção e público, cada vez mais próximos e bem informados, podem traduzir em resultados mais criativos e conhecidos também pelos processos.

 

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *