Livro “Quando a escrava Esperança Garcia escreveu uma carta”

por Liliane Braga (Quisqueya Brasil)

Escrito por Sonia Rosa e ilustrado por Luciana Justiniani Hees, o livro “Quando a escrava Esperança Garcia escreveu uma carta” é uma indicação de leitura obrigatória para todas as idades.

Classificado pela editora Pallas como uma leitura para o público infantil, “Esperança Garcia” traz conteúdo que, de forma lúdica e envolvente, informa sobre um assunto caro ao Brasil a partir de um raro registro: uma carta escrita em primeira pessoa por uma mulher negra escravizada em um período histórico em que raros eram os(as) cidadãos(ãs) negro(as) letrados(as) no país.

Esperança Garcia viveu no Piauí no século XVIII. Alfabetizada por padres jesuítas, essa mulher optou por denunciar maus tratos e injustiças por parte do feitor da fazenda para onde foi transferida separando-a de seu marido e de parte de seus filhos. Em 6 de setembro de 1770 – data instituída no estado como o “Dia da Consciência Negra” –, ela escreveu uma carta ao governador da Província do Piauí na qual descreveu injustiças cometidas contra si e os seus e contra seus pares – irmãos e irmãs de cor – que passavam pelo mesmo sofrimento.

No trecho da carta transcrito no livro (cuja história é belamente adaptada por Sonia Rosa), Esperança pede ao governador que sua família voltasse a estar unida que sua filha pudesse ser batizada (“… peço a V.S. pelo amor de Deus (…) mandar o Procurador que mande para a fazenda onde ele me tirou, para eu viver com meu marido e batizar minha filha”). Os maus-tratos que sofriam (ela, seus filhos, suas “parceiras”) foram apontados ali também, em linguagem própria, com a qual temos – agora – o privilégio de entrar em contato. O exercício da “escuta” se faz de forma mais humana quando podemos ouvir o que têm a dizer quem geralmente é obrigado a calar…

Com as ilustrações de Luciana Hees, o poder de comunicação da obra é ampliado: pelos traços e cores das ilustrações, vemos amanheceres e entardeceres do dia-a-dia da fazenda onde, na nossa imaginação, vivia Esperança e seus filhos pequenos, testemunhamos seus momentos de trabalho, repouso e brincadeiras junto às crianças. Assistimos à Esperança repenteando os seus birotes, fazendo a colheita, passando o café, mexendo o ensopado na panela… Enquanto espera o retorno para a carta que escreveu ao governador – e cujo retorno nunca chegou.

Título

Quando a escrava Esperança Garcia escreveu uma carta
Autora

Sonia Rosa

Ilustrações

Luciana Justiniani Hees

Editora
Pallas, 2012

 

SINOPSE DO AUTOR
Sonia Rosa é professora, contadora de histórias, orientadora educacional e escritora, moradora da cidade do Rio de Janeiro. Seu primeiro livro, “O menino Nito”, foi publicado em 1995. Com “Amores de Artistas” (Editora Paulinas), recebeu em 1999 o selo de “Altamente Recomendável” pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) na categoria Criança. Em seus livros, procura sempre contemplar a diversidade afro-brasileira. Mais informações em http://www.soniarosa.net/
ONDE ENCONTRAR
http://www.pallaseditora.com.br/produto/Quando_a_escrava_Esperanca_Garcia_escreveu_uma_carta/240/ (venda online)

PREÇO

R$ 40,00

Comments: 1

  • QUERIA MUITO CONHECER VOCÊ SONIA ROSA novembro 20, 2012

    ADOREI UMA BIOGRAFIA SUA QUANDO A ESCRAVA GARCIA ESCREVEU UMA CARTA

    Reply

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *